Catarata no RTV Caatinga – Univasf

O grupo de Ações de  Extensão voltado a Saúde Ocular, orientado pelo Prof. Dr. Alfredo Andrade, em parceria com a EBSERH, realizou juntamente com a RTV Caatinga – UNIVASF uma produção que visa explicar para população o que é e como se trata a Catarata. Também foi realizado a apresentação básica dos equipamentos oftalmológicos e seu funcionamento pelo estudante de medicina Daniel Müller.

 

Ao final, além de apresentar os equipamentos foi descrito a  rotina de um exame básico oftalmológico. Mais uma vez, a UNIVASF e EBSERH cuidando e esclarecendo a população. Para mais, acesse o canal da RTV Caatinga no youtube.

Triagem e entraga de de óculos realizada na escola Eliete Araújo

O projeto de Extenção UNIVASF/HU-EBSERH, após a capacitação dos professores, realizou a triagem dos alunos da escola Eliete Araújo. A triagem foi realizada quem quatro dias e nos dois turnos.

A acuidade visual foi mensurada utilizado a tabela de Snellen, na própria sala de aula com o apoio dos professores já capacitados. Após a triagem, os alunos que apresentaram baixa visual foram encaminhados para a consulta com o Oftalmologista.

 

O próprio Oftalmologista vai a escola, realiza todos os exames complementares, tudo sem nenhum custo para as famílias. Ao final o aluno é que escole a armação que mais o agrada.

 

img-20161125-wa0014

E o Trabalho na para ! Oficina de Saúde Ocular na Escola Elite Araújo – PE

 O trabalho na Escola Eliete Araújo teve início com um momento de capacitação. A oficina foi realizada por alunos do curso de medicina da UNIVASF, supervisionada pelo professor Oftalmologias Dr. Alfredo José Muniz de Andrade. A equipe da EBSERH também esteve presente prestando todo auxilio necessário.
Na oficina os gestores, professores e demais funcionários receberam orientações sobre saúde ocular, além de uma oficina prática de mensuração da acuidade visual utilizado a tabela de Snellen.
img-20160929-wa0071

Tutorial: Mensuração da Acuidade Visual em uma simples Sala de Aula

  1. Itens necessários:
    1. Tabela de Acuidade Visual
    2. Suporte para as tabelas de Acuidade Visual
    3. Fita métrica
    4. Fitas coloridas
    5. Oclusor monocular
    6. Oclusor com orifício estenopeíco
    7. Ficha de Anotação
  2. Mensurar a iluminação no interior da sala com LUXIMETRO (200 lux no mínimo)
  3. Demonstrar o arranjo na organização das cadeiras para montagem de 4 pontos de triagem de acuidade visual
    1. Liberar centro da sala para circulação
    2. Colocar cadeiras com costas para as paredes
    3. Cada unidade de mensuração utilizará 03 cadeiras com disposição para circulação entre elas
  4. Fixar 04 tabelas de acuidade visual, mantendo a metade da tabela na altura dos olhos de uma pessoa sentada
  5. Alinhar a linha média do observador com a linha média da tabela de acuidade visual fixada na parede
  6. Demarcar as distâncias de 1m, 2 m e 4 m com fitas coloridas e demonstrando a mensuração das distâncias dos avaliados e as tabelas
  7. Explicar as opções de respostas que o avaliado pode informar nos optótipos da tabela
  8. Demonstrar que oclui com OCLUSOR MONOCULAR inicialmente OD e começar pela linha MAIOR
  9. Demonstrar que após 03 acertos migra para linha inferior e prossegue até a linha com 03 acertos e os menores optótipos
  10. Repetir o processo no OLHO ESQUERDO
  11. Demonstrar forma de anotação e o significado das siglas
    1. AVL
    2. CC
    3. SC
  12. Demonstrar quando se utiliza o OCLUSOR COM ORIFÍCIO ESTENOPEÍCO
  13. Explicar os achados das medidas com OCLUSOR COM ORIFÍCIO ESTENOPEÍCO
  14. Demonstrar forma de anotação e significado das siglas
    1. AVL PH
    2. CC PH
    3. SC PH
  15. Exemplificar as possibilidades de anotação das mensurações da acuidade visual. Segundo o número de acertos quanto a orientação de optótipos indagados
    1. 05 acertos
    2. 04 acertos
    3. 03 acertos
    4. 05 acertos na linha atual e 01 acerto na linha inferior
    5. 05 acertos na linha atual e 02 acertos na linha inferior
  16. Explicar o significa AVL SC ou CC 20/20, 20/60 e 20/10
  17. O que é a ESCALA DE SNELLEN e a representação dos seus resultados em forma de frações das Mensurações da Acuidade Visual
  18. Apresentar as opções de Mensuração da Acuidade Visual para achados menores de 20/200
    1. Detalhar que a aproximação do avaliado modifica o numerador da fração de Snellen
    2. Como anotar tais modificações da fração para 2 m e 1m
    3. Explicar quando se utilizar tal recurso na mensuração da acuidade visual
  19. Comentar que para fins de projeto de saúde ocular se utiliza a notação das mensurações em fração de Snellen, mas a tabela está configurada em LogMAR
  20. Explicar que a o uso da escala LogMAR permite realizar mensurações quantitativas e na fração de Snellen realizar mensurações qualitativas

 

 

Sobre o Projeto

O Governo Federal executa o Projeto Consultórios Itinerantes de Oftalmologia no âmbito dos Programas Saúde na Escola e Brasil Alfabetizado, sendo conduzido pela EBSERH. O projeto tem como objetivo identificar precocemente problemas da visão e garantir a saúde de crianças e adolescentes, combatendo a repetência escolar. O programa recebeu a adesão de UNIVASF e do Hospital Universitário Doutor Washington Antônio de Barros HU/Univasf/ EBSERH.

Os equipamentos oftalmológicos disponíveis são refrator, cadeira oftalmológica, coluna oftalmológica pantográfica, sistema para teste de acuidade visual, tonômetro, lensômetro, oftalmoscópico, lente de uso oftalmológico, retinoscópio, autoclave, sistema de montagem lentes, aquecedor para armação de óculos,

pupilômetro, ceratômetro, tal conjunto pemite a avaliação completa dos educandos e caso haja prescrição de óculos, os contentores tem disponível mini fábrica de óculos para aviamento e entrega imediata das lentes corretoras.

O projeto visa integrar as políticas públicas federais de promoçãoda qualidade de vida de estudantes e alfabetizandos, com foco naqueles residentes em áreas remotas do país, com a consequente melhoria do desempenho escolar, tendo aplicabilidade local nos municípios da Rede Interestadual de Saúde PE/BA com a capacitação de profissionais da rede de saúde e da educação nos municípios integrantes.